A cooperação de Maria na Redenção

A cooperação de Maria na Redenção

O homem é convidado, não somente a aderir aos frutos da Redenção por si próprio, entrando na aliança com Jesus Cristo por meio do Batismo, mas Deus, em seu Amor incomensurável, quis que o homem pudesse participar da Redenção universal.

Neste sentido, São Paulo pode afirmar: “Nós somos os cooperadores de Deus” (1 Cor 1, 9).

 

Maria, criatura humana, assim como cada um de nós, é beneficiária dos frutos da Redenção, assim como todos os resgatados.

 

A Virgem Maria é, além de tudo, a primeira beneficiária entre os resgatados, pois, imaculada, desde a sua concepção e isto, por graça especial (em vista de tornar-se a Mãe do Verbo encarnado). Ela beneficiou-se, então, dos frutos da Redenção que a preservaram, excepcionalmente, do pecado original. Assim, como observa a Constituição (§ 62), a cooperação de Maria, na qualidade de “resgatada”, mantém-se uma cooperação “conforme a uma atribuição, a um desempenho subordinado”.

 

Maria é, a título excepcional, “a esposa, a companheira que completa e finaliza a obra do esposo”.

 

Maria, mais do que qualquer outra pessoa, não apenas “completa em sua carne, o que falta aos tormentos de Jesus Cristo”, em favor de Seu Corpo, que é a Igreja” (cf. Cl 1, 24), como refere São Paulo sobre todos nós, mas, sobretudo, Ela o faz, a um título absolutamente excepcional. Eis o que diz a este respeito o Padre Marie Dominique Philippe, o.p., em seu livro L´Etoile du Matin” (Estrela da Manha) (Ed. Fayard, p. 167):

 

“Em relação ao mistério do Cordeiro, podemos ver como Maria, por meio da fé, da esperança e do amor, pode contribuir, trazendo em holocausto, algo que Jesus não pode oferecer. Daí, Ela é realmente a esposa, a companheira que completa, igualmente, o mistério do sacerdócio de Jesus. Ao oferecer Jesus ao Pai, Maria complementa o oferecimento que Jesus faz de si mesmo. Este é o sacerdócio real dos fiéis que, por meio de Maria, completa o sacerdócio de Cristo, uma vez que o sacerdócio ministerial não o pode completar, o padre agindo “in persona Christi? “na pessoa de Cristo”.

 

Além disso, Maria é a única pessoa de toda a Criação que pode, verdadeiramente, ser nomeada “Mãe de Deus” e “Mãe do Redentor”, o que lhe confere um papel absolutamente excepcional na participação da Redenção do mundo, obtida por seu Filho, o Único Salvador...

 

 


 

Equipe de MdN