Portugal, Terra de Santa Maria

Portugal, Terra de Santa Maria

A devoção de Portugal à Maria teve início no momento em que a nação nasceu, isto no século XII. Afonso Henriques, fundador do reino e Primeiro rei de Portugal, coloca seu país sob a proteção de Nossa Senhora, por meio de uma promessa solene, feita com o consentimento de seus vassalos e assinada na Catedral de Lamego, no dia 28 de abril de 1142. Assim, esta data é considerada como a do batismo de Portugal, que foi chamado, a partir daí, de "Terra de Santa Maria". Quando a cidade de Santarém foi retomada dos Mouros, alguns anos mais tarde, Afonso fez com que se construísse um mosteiro dedicado à Virgem, Santa Maria de Alcobaça.

Maria torna-se Madrinha de batismo de cada cidade retomada das mãos dos Mouros

Todas as conquistas do rei-fundador foram realizadas sob os auspícios de Maria e em cada cidade recuperada do domínio Mouro, a Virgem passa a ser entronizada como Madrinha e o povo constrói uma igreja com o seu nome: neste caso estão as mais antigas igrejas de Lisboa, entre outras, Nossa Senhora dos Mártires e Nossa Senhora da Enfermaria.

 

Contudo, o santuário de Nossa Senhora de Nazaré, localizado no litoral, é, sem dúvida, o mais antigo santuário Mariano português, e existe desde bem antes da fundação do reino; a estátua de Maria, que lá está, remonta à época da passagem dos Espanhóis pela região, antes da invasão árabe. Em Batalha, no século XIV, em sinal de reconhecimento por parte de Portugal, o rei mandou construir uma igreja imensa dedicada a Maria, sob o vocábulo de Nossa Senhora das Vitórias, comemorando a grande batalha ganha contra o invasor espanhol, em 14 de agosto de 1385. Ainda no litoral, assinala-se a igreja de Santa Maria de Belém, pois, nesta praia, só após se terem confiado à proteção de Maria, é que os grandes navegadores partiram rumo à descoberta dos mares. A partir de então, Maria passou a ser venerada, em grande parte do mundo, onde não era conhecida, como Maria, Estrela do mar, Protetora dos navegantes e dos missionários ...

 

A piedade mariana portuguesa é particularmente marcada pelas peregrinações; são os chamados círios, pois cada paróquia possui o seu grupo de peregrinos que, a cada ano, leva uma vela ao altar da Virgem. O círio da Virgem do Cabo, no Cabo Espichel, é um dos mais antigos círios portugueses, mas outros continuam a existir, em todas as províncias do país. Outra particularidade: em Portugal todas as catedrais são dedicadas à Nossa Senhora da Assunção, assim como, aproximadamente, um terço das igrejas paroquiais. Isto decorre do fato de que muitas datas históricas importantes da nação coincidem com a festa de Nossa senhora da Assunção. Do mesmo modo, a festa das Sete Dores de Maria tornou-se uma das mais caras à devoção portuguesa, assim como a recitação do Rosário. Portugal é tão ligado ao amor da Virgem que podemos ver, nesta nação, muitos pais escolherem a própria Virgem Maria como madrinha de seus filhos.

25 de março de 1646: Nossa Senhora da Imaculada Conceição é nomeada oficialmente Protetora de Portugal

Mas foi em 25 de março de 1646, que o decreto real, ratificou a decisão das Cortes de nomear Nossa Senhora da Imaculada Conceição Protetora de Portugal, em agradecimento à independência da nação na oitava de 8 de dezembro de 1640. Desde então, todas as grandes instituições portuguesas, incluindo as universidades, decidiram defender o dogma da Imaculada Conceição... aproximadamente dois séculos antes da proclamação do Dogma pela Igreja, em 1854!

 

Atualmente, o santuário de Nossa Senhora de Fátima é o centro de atração mariana mais célebre e mais freqüentado do país. Santuário de renome mundial, nele a Santíssima Virgem solicitou essencialmente três coisas: a devoção ao seu Coração Imaculado para preservar os pecadores do inferno e para a paz; a consagração ao seu Imaculado Coração para a conversão da Rússia; a comunhão reparadora no primeiro sábado de cada mês. Os acontecimentos de Fátima propulsaram, além disso, o fervor Mariano da nação num novo elã que ergueu todo o país! Todos os guias espirituais de Portugal reconhecem que graças à proteção milagrosa de Maria e à profunda piedade mariana de seus filhos portugueses, a nação ficou fora da última guerra mundial causadora de tantos estragos no resto da Europa cristã!

Pio XII reconhece que a proteção de Nossa Senhora de Fátima preservou Portugal da Segunda Guerra Mundial

Destarte, em 1946, quando o Papa Pio XII coroava a estátua de Nossa Senhora de Fátima, pôde afirmar: "A guerra mais terrível que devastou o mundo esteve, durante quatro longos anos, rondando vossas fronteiras, sem jamais conseguir atravessá-las; vos deveis este milagre a Nossa Senhora, que, de seu trono de misericórdia [...], situado em Fátima, no centro de vosso país, velava por vós e por vossos governantes..."

 

Por ocasião das festas da coroação de Nossa senhora de Fátima, a Virgem peregrina esteve em todas as paróquias do país durante 32 dias e grandes multidões vinham aclamá-la ao longo das estradas: "Dir-se-ia que o país inteiro tinha-se transformado numa imensa catedral sem muralhas que limitassem a assistência. Literalmente, as cidades e aldeias, para estar diante da Virgem Peregrina, se despojavam com um mesmo elã", escreveu em sua crônica o Padre José de Oliveira Dias, SJ. E continua: "Era, geralmente, nas câmaras municipais que a Virgem era acolhida e lá passava a noite. Fazia-se, então, a vigília eucarística, durante a qual as autoridades civis se habituaram, com freqüência, [...] a consagrar, solenemente, suas autarquias ao Coração Imaculado de Maria."

De Fátima ao mundo inteiro

Após este acontecimento, Lúcia, vidente de Fátima, concebeu o projeto de organizar a caminhada de Nossa Senhora pelo mundo inteiro, e, desde 1947 esta peregrinação mundial tem acontecido. Em toda a Europa e em todos os continentes da Terra, um sem-número de paróquias acolheram a Imaculada Virgem  de Fátima!