São João Eudes (1601-1680)

São João Eudes (1601-1680)

São João Eudes, assim como São Bernardo e, mais tarde, São Luís Maria Grignion de Montfort, foi um homem, cuja vida inteira e o ministério que exercia foram marcados por Maria. Sua graça particular foi a de ser o Apóstolo dos Corações de Jesus e de Maria.

 

E na sua canonização (1925), João Eudes foi nomeado:

"Pai, Apóstolo e Doutor do Culto Litúrgico dos Corações de Jesus e de Maria".

 

Quem é este homem?

Infância

Nasceu em 1601, em Ri, aldeia próxima a Argentan, na Normandia.

Em seu "memorial" João Eudes assinala "os principais favores recebidos de Deus, por meio de seu Filho Jesus Cristo, e de sua Mãe Santíssima, favores pelos quais eu me sinto inflamado e obrigado a louvá-lo, incessantemente".

 

Inicialmente, João agradece por ter nascido numa família cristã. Seus pais lhe contaram que, como não tinham filhos, fizeram uma peregrinação a Nossa Senhora do Restabelecimento (da saúde), e mais tarde retornaram, reconhecidos, para oferecer o filho que tiveram a graça de receber, ao Cristo e à sua Santa Mãe. João Eudes ratifica esta consagração, na frase: "Sou inteiramente teu, Senhor Jesus! Sou inteiramente teu, ó Nossa Senhora!"

Jovem Quando jovem

Este rapaz teve a sorte de receber sólida formação humana e espiritual dos Padres Jesuítas de Caen.

 

Aos 17 anos, João Eudes foi aceito na Congregação de Nossa Senhora, na qual disse: "Nosso Senhor me concedeu enormes graças, por intermédio de sua Mãe Santíssima".

 

Podemos entrever intuir algo oriundo dessa graça, quando escreve, quarenta anos mais tarde, no "Contrato de aliança com a Santíssima Mãe de Deus":

 

"... Não é maravilhoso que vós desejásseis, do fundo do coração, ser a esposa do último entre todos os homens, que ousou escolher-vos, desde seus mais tenros anos, como sua única Esposa?"

Padre, e depois, missionário

Toda a vida e todo o ministério de João Eudes estariam sob o signo de Maria.

 

Tendo retornado ao Oratório em 1623, onde foi acolhido por Padre de Bérulle, ele deu início ao seu ministério na Normandia, dedicando-se ao amparo dos doentes pestíferos.

 

João Eudes levava consigo, nas Missões, bela estatueta da "Virgem Mãe", representando Maria a amamentar o Menino Jesus. João Eudes sempre associou Maria a seu ministério, da mesma forma em que seu Filho Jesus a tornou colaboradora sua, na obra da redenção do mundo.

Fundador

Durante inumeráveis Missões, testemunhou a ignorância dos batizados e as diversas misérias físicas e morais, especialmente entre as mulheres, vítimas da prostituição. Em 1641 ele abriu uma instituição com o nome de "Nossa Senhora do Refúgio", em Caen, para acolher tais mulheres: eis a origem da Congregação "Nossa Senhora da Caridade", raiz do "Bom Pastor de Angers", fundado por Marie-Euphrasie Pelletier.

 

João Eudes deixou o Oratório para fundar, no dia 25 de março de 1643, a "Congregação de Jesus e de Maria" (= Os Eudistas).

 

Seu objetivo principal era o de formar pastores como instara o Concílio de Trento, uma centena de anos antes. Ele abriu o primeiro Seminário da Normandia, em Caen, e depois, os de Coutances, Lisieux, Rouen, Evreux e Rennes.

 

A Festa litúrgica do Coração de Maria

Durante a grande Missão de Autun, ele fez com que se celebrasse a primeira Festa litúrgica do Coração de Maria.

Até 19 de agosto de 1680

João Eudes continuou a pregar e evangelizar em Missões do Oeste, e também na Borgonha, em Paris e diante do Rei.

 

São João Eudes faleceu em Caen, no dia 19 de agosto de 1680.

 

A Igreja o proclamou santo em 1925.

 

________________________________

Trechos de DEPAS R, São João Eudes e a Virgem Maria em "Nouveaux cahiers marials" (Novos cadernos marianos) 31, (agosto 1993)