Maria na liturgia

Maria na liturgia

A Virgem está presente de uma forma constante na celebração da liturgia :

- por um lado porque criatura como nós, como nós presta culto ao Senhor, o culto que apenas é devido a Deus ;

- por outro lado porque ocupa um lugar particular e único na realização dos dois grandes mistérios da salvação da humanidade (a Incarnação e a Redenção) e por isso mesmo, na liturgia que celebra esses mistérios da Fé. além disso Maria, Mãe do Verbo de Deus, ocupa um lugar central na liturgia eucarística pois, como o lembra santo Agostinho, "a Carne de Jesus, é a carne e Maria"...

 

"Maria não é o Deus do Templo, Ela é o templo de Deus"

No entanto se a Virgem Santa tem um lugar especial na liturgia da Igreja, Ela não é a sua finalidade : o culto de adoração (de latria) é devido a Deus apenas : só Deus é o primeiro e supremo objecto da liturgia da Igreja ; quanto a Maria ela recebe, da parte de todos os que a invocam, um culto e veneração (de dulia - e mesmo de hiper-dulia pois, só por si, a Virgem é mais que todos os santos e anjos reunidos) : "Maria não é o Deus do Templo, Ela é o templo de Deus"...

 

Isso não impede que desde as origens da Igreja, e em todas as nações do mundo, a litugia celebre e honre a Mãe de Deus, Aquela que cantou no seu Magnificat : "Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada"...

 

Um lugar de honra na liturgia

De sorte que Maria ocupa um lugar de honra em todas as liturgias da Igreja (liturgia eucarística, sacramental, Ofício das Horas, chamado ainda "Ofício divino"). Isso é particularmente sensível nos ritos da Igreja do Oriente, por exemplo, em que a Virgem se encontra no coração da celebração ortodoxa, que a honra como Théotokos (Mãe de Deus) ao longo de todo o ano litúrgico.

 

Na Igreja universal o ano litúrgico é pontuado por quatro festas marianas principais : a Imaculada Conceição ; a Anunciação ; a Mãe de Deus ; a Assunção, assim como por numerosas festas secundárias (pelo menos 16) ; sem contar com as missas votivas em honra da Virgem (só no Missal do rito latino Romano, o rito oficial da Igreja católica, contam-se 46 !). Isso diz muito do lugar de honra e da veneração de que a Virgem é objecto na liturgia da Igreja tanto no Oriente como no Ocidente, qualquer que seja a cultura, e "de geração em geração"...